sábado, 7 de fevereiro de 2009

O SIS desmente o que nunca poderia confirmar (ler mais)

Por Avelino Dias
Os procuradores da república que estão encarregues do caso "Freeport" terão suspeitas que o SIS os estaria a "vigiar". O Procurador-Geral da República já terá ordenado que se investigasse as suspeitas dos procuradores.
Só em Portugal é que existem Serviços de Informações e Segurança (SIS) que se apressam a vir desmentir que tenham feito ou promovido qualquer acção sobre os magistrados do MP encarregues do caso "Freeport". Gostaria de saber em que país os serviços secretos vêm a público confirmar ou desmentir que estejam a investigar este ou aquele processo, indivíduo ou situação. Deve ser uma piada, mas o dia 1 de Abril ainda vai longe.
Será que existe algum português que acredite que o SIS viria algum dia confirmar que está a vigiar magistrados do MP ou qualquer outra pessoa em Portugal. Parece-nos evidente que o facto do SIS vir desmentir qualquer investição desse tipo não nos dá qualquer garantia que isso não tenha ocorrido. Será que estavam à espera que aquele servço viesse publicamente confirmar que tinham colocado sob escuta magistrados do MP e outras funcionários judiciais afectos ao processo "Freeport", com o objectivo de conhecer quem patrocinou as fugas do segredo de justiça.
Por outro lado, não podemos esperar que seja o próprio sistema judicial a descobrir sozinho a razão para tantas violações do segredo de justiça em Portugal, principalmente quando estão em causa figuras públicas (que os media tanto gostam de trazer para as primeiras páginas e aberturas de telejornais). Isso seria o mesmo que ficar à espera que todos os criminosos do mundo fossem denunciados pelas suas próprias famílias e só por elas. Não esperemos que isso aconteça, caso contrário correremos o risco de sermos considerados demasiado inocentes ou mesmo ingénuos.
A procuradora responsável pelo processo Freeport (Cândida Almeida) já veio afirmar que a violação do segredo de justiça não partiu do MP. Com isso está a afirmar implicitamente que foi a Polícia Judiciária que originou a violação do segredo de justiça. Ainda não assistimos a qualquer reacção daquela polícia, talvez por pensarem que a procuradora se estaria a referir ao SIS como sendo responsável por tal violação.
A verdade é que com tantos corruptos pressos em Portugal, com tantos políticos eticamente irrepreensíveis e com uma justiça tão eficaz, célere e com tantas provas dadas, não nos devemos preocupar demasiado com umas investigaçõesinhas do SIS, ainda por cima que já foram "cabal e prontamente" desmentidas.

Sem comentários: